3 de mai de 2014

O Espectro do Tempo




Espectro do Tempo

Espectro do Tempo
Devorador de sonhos e encantos
Me acorrenta sem pensar
Me impedindo de criar
Cenários abstratos
Obscuros ou nefastos
Não me deixa dar vida!
Maldita sina!

De joelhos eu imploro
Deixe-me dar a vida
Aos fantasmas
Da minha mente insana criativa!

As páginas gritam por meu nome!
A noite reveste meus dedos
Com tintas vermelhas.

Deixe-me provar destas gélidas páginas.
Preenchendo-as com minha alma e sonhos.
Senhor Espectro do Tempo
Congele as areias finas de sua ampulheta
Para então eu alimentar os olhos sedentos
Dos que me esperam
Pelos meus versos perdidos.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seguidores

Receba em seu Email os novos Posts publicados aqui

Postagens Mais Procuradas