3 de nov de 2011

Inverno


Inverno


Quando os cobertores
Não aquecem mais
O corpo paralisado
Pela beleza jaz

Ao fechar dos olhos
Cheios de lágrimas
Tremedeira que não passa
Que me deixa angustiada

Inverno este que me assombra
Desejos quentes
Me abandonam
Corpo mumificado
Por gotas de gelo
Solidão esta verdadeira
Serenidade obscura
Paz e desespero

Sequestram a doçura
Do beijo de inverno
Que tira-me do céu
E que me joga ao inferno

Mova-se!
Estou paralisada
Corra!
Estou abismada
Com suas atitudes egoístas
Não farei mais nada.

Corpo e Alma
Separam-se
Desejos da carne
Espalham-se
Envenenando o coração.

O inverno intensifica
Sutil sensação
Frieza tocante
Invoca na escuridão
O vazio sucumbido
Existente e relutante
Persistente e abundante
Da ilusão sem fim.

Um comentário:

  1. Assonância é o fenômeno que acontece quando existe repetição de uma vogal específica... Nos casos em que a repetição é de uma consoante, o nome do fenômeno passa a ser Aliteração...

    ResponderExcluir

Receba em seu Email os novos Posts publicados aqui

Postagens Mais Procuradas