14 de jun de 2011

Espelho Quebrado

Espelho quebrado

Espelho quebrado
Não reflete meus movimentos
Sorrio e não vejo nada
Me retiro em lamentos

Sorrisos em estilhaços
Se afogam em lençõis de seda
O espelho está quebrado
Rachado pela frieza

De meus gestos
Não retribuídos
Sem reflexos
Como um castigo

Lembrar e não ser lembrado
Falar e não ser ouvido
Escrever e ver meus versos
Abandonados numa caixa
Jogados em um abismo

Será que somente os ventos
Para responder aos meus versos?
Será que nem tu
Sabes notar o que está tão perto?

Perto
Ao mesmo tempo distante
Calmo
Ao mesmo tempo irritante

Acorde!
Antes que este espelho
Trinque em mil pedaços
Deixe de ser este buraco negro
Que a tudo devora
E transforma em estilhaços

Que me fere
Com tua inércia fugaz
Deixando de perceber
A falta que me faz
De ter meu reflexo de volta
Neste espelho chamado vida.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seguidores

Receba em seu Email os novos Posts publicados aqui

Postagens Mais Procuradas