4 de fev de 2011

A Lagarta de Vidro





Existe dias que acordamos reflexivos.
Um silêncio entorpecente invade nosso ser.
Trazendo lembranças de um passado distante.

O mundo la fora perde seu brilho
E os pássaros perdem seu canto
Só resta as vozes que navegam
Na melancolia do existir.

Passamos a nos perguntar:
Qual o sentido de ser e estar?
Aqui.

E as horas escoam pela escuridão passageira
Como pegadas que somem
Das nebulosas areias
Cinzas espalhanm-se pelo tempo
Trazendo um milhão de cenas
Em fragmento

No espelho reflete a lagarta de vidro.
Presa em seu mórbido mundo
Esperando ilusoriamente o fim.
Seríamos nós a lagarta de vidro?
Passando meses em nosso casulo
Sofrendo

Sem esperança de vermos o brilho do amanhecer
Para quando menos esperarmos
Ganharmos grandes asas
E assim nos libertarmos
Do drama e da ilusão
De que tudo acabou.

Um comentário:

Seguidores

Receba em seu Email os novos Posts publicados aqui

Postagens Mais Procuradas