30 de jan de 2011

Prisão do Silêncio







Um Cálice de Silêncio,
Repousa em minha boca,
Seu sabor lúgubre e amargo,
Percorre minhas veias,

A rosa gélida,
Petrifica minhas palavras,
Tanto tenho a dizer,
Mas nada consigo falar.

Minhas palavras foram levadas,
Pelo fantasma do silêncio,
Introspecção,
Reflexão e Pensamentos.

Me levam pela barca,
Das almas atormentadas,
Mãos cadavéricas me puxam,
Anjos caem em plena lassidão,
Sendo levados para uma nova prisão,
A prisão das vozes emudecidas.

Em sua mente encontro,
Figuras distorcidas
Vontades não vividas,
Enclausuradas sem alegria.

Emoções mumificadas,
Pelo tempo que se apagou,
Onde se esconderam
O lépido sorriso de viver?
Que hoje se torna inverossímil
Este estado em seu ser.

Prisão do silêncio
Voz desalento
Gritos emudecidos
Sentimentos reprimidos.
Apenas libertem-se.

Um comentário:

  1. exist gritos q perduram tempos e nossas
    gargantas,que por mais que queiramos
    eles nao sao audiveis,entendo bem como é isso
    aadorei o Poema Luna
    Carpen Noctem

    ResponderExcluir

Receba em seu Email os novos Posts publicados aqui

Postagens Mais Procuradas