27 de dez de 2008

Poesia

Poesia
( LunA Daimon)

Minha alma ecoa
Ruídos deprimentes
A espera de ouvir sua voz uma vez mais
Diga-me o que lhe causa esse silêncio
Diga-me o que lhe torna tão distante
Em alguns momentos
As estrelas esconderam seu brilho?
Coração de carne agora de vidro
Em cores fantasmagóricas
Deslizam lágrimas
Guardadas por tantas lembranças
Vividas
Olhares sem vida
Mãos tão geladas
Se perdem em tempos negros
Em tempos cinzas
Derrame suas lágrimas em meu peito
Para que não se afogue
Nesse mar e tormento Oculto
Se perca em meus braços
E saiba que por mais escuro
Que seu mundo esteja
Estarei no meio do abismo
Quando você cair
Para te segurar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seguidores

Receba em seu Email os novos Posts publicados aqui

Postagens Mais Procuradas